sábado, 17 de setembro de 2011

O penúltimo fragmento

Pés- Magritte

Piso novamente esta terra, descalço de pés e alegrias.
Vem de longe o sabor 
tantas vezes requentado do estar juntos;
Temperado com vinagre e mel de abelha-rainha;
Servido com ervilhas. 


Sinto o odor apimentado das injustiças;
Meus mirantes projetam olhos de lince,
vejo além das cordilheiras.
Escalo meus Andes e Everestes, sem vertigens.
Navego tempestades agarrado nas águas, 
âncoras onduladas.

São gorjetas os dias que me restam.
Passei dos cinquenta, vivi muitas vidas,
singrei os meus mares. 
Rompi algemas,
derrubei senzalas e o fascínio do poder.

Na andropausa da vida, 
o calor brota de dentro.Coisa dos “enta”.
Não me vendi por trinta moedas.
Ainda sou húmus. Fecundo mentes e corações.

Deixo rastros, marcas inscritas nas paredes de pedras.
Em tom vermelho. 
Agora sou uma epígrafe no epílogo da vida,
 post scriptum de múltiplas façanhas.
Incompleto e inconcluso, tropecei muitas vezes.
E eis-me de pé, alerta, bradando impetuosamente:
Outra vez! Intensamente!!!

Moises Augusto Gonçalves, in Fragmentos impertinentes

26 comentários:

manuel marques disse...

Sempre há uma chance de você tropeçar em algo maravilhoso. Ninguém tropeça em algo enquanto está sentado.

Abraço.

Carmen disse...

Hermosa forma de describir una vida. Me ha gustado mucho, Moisés.

(Esta vez no he tenido tanta dificultad para entender el texto).

Biquiños!

Carmen.

Eva Gonçalves disse...

De pé, sempre! Intensamente! Assim o espero! :) Beijo

Eloah disse...

Lindo! Lindíssimo!Amei!Caminhastes pela vida com os pés no chão, mas teu coração jamais deixará de sonhar.Este é o encanto da vida. Muita luz e paz.Forte abraço Eloah

Rô... disse...

oi Moisés,

que beleza,
aplausos pra você,
os tropeços fazem parte da caminhada,
mas erguer-se e manter-se ereto,
pronto para continuar,
isso é maravilhoso...

beijinhos

...EU VOU GRITAR PRA TODO MUNDO OUVIR... disse...

Linda a sua obra dos "enta"!!!

Quem dera todos encontrássemos " águas âncoras onduladas".

Estaríamos ,para sempre, seguros e embalados!

Agradeço por seguir meus "gritos"!

Voltarei a visitá-lo mais vezes!

Um beijo!

Sonia Regina

Maria Emilia Moreira disse...

Mais um belíssimo poema a juntar a tantos outros!Espero que o percurso dos "enta" se prolongue por muito tempo para nos podermos continuar a deliciar...

Moisés Augusto Gonçalves disse...

É bom ver ecoar o nosso grito! Grato pelos comentários preciosos.

Rosario disse...

muy bello Moises

Maria disse...

Amigo Moisés lindissimo poema, forte, e intenso como o é a vida. Cair e levantar novamente, mantendo os pés no chão e coração lá no alto, no mundo dos sonhos é a melhor forma de passar pela vida.
Bom domingo
Beijinhos
Maria

Silenciosamente ouvindo... disse...

Concordo com o comentário
do manuel marques.É preciso
não estar sentado.Tudo bem?
Desejo que sim.Bj.Irene

Guaraciaba Perides disse...

não importa os "entas", como disse um poeta , se não me engano Arnaldo Antunes, "o pulso ainda pulsa".
Um abraço

Ulisses Reis ® disse...

MUito lindo amei o poema espero que esteja muito bem e tudo de otimo para vc, beijo !

ॐ Shirley ॐ disse...

Simplesmente maravilhoso, criativo e rico... Parabéns! Abraços!

claudia disse...

la vida es un texto con sus múltiples recursos. Me suena a Nietzsche ese grito al final. Potente y desafiante. Saludos

Marias Teater disse...

Thank you.

Jorge disse...

He recorrido tu blog y me parece muy cálido y acogedor literariamente. Excelente. Volveré seguido a visitarlo.
Un abrazo.
Jorge.

Baby disse...

Amei a sua poesia! Excelente, verdadeira, pintada a tons de vermelho, plena de força e esperança, não obstante a coisa dos "enta" que acho poderosa, pois o "calor (ainda) brota de dentro"!
Abraço.

Nascente disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Dois Rios disse...

Oi, Moisés,

Belíssimo poema! Seria uma catarse? Uma prestação de contas com a vida?

A escalada até os "enta" é íngreme e passível de muitas diversidades, porém a estrada se faz ao explorá-la. Sigamos, pois, em frente, sem jamais nos descuidarmos das "âncoras onduladas".

Grata pela sua visita.

Beijo,

Inês

Fernando Santos (Chana) disse...

Belo poema...Espectacular....
Cumprimentos

GEUZA MARIAH disse...

QUE DELICIA ESTE BLOG!
ESTOU AMANDO. BJS

Malu disse...

Este teu poema exala cores, aromas e sabores completos e perfeitos, dando-te a chance de alcançar algo melhor e mais intenso, pois nem tudo são agruras...
Lindo e sentido!
Abraços

Nayara Borato disse...

Olá, desculpe invadir seu espaço assim sem avisar. Meu nome é Nayara e cheguei até vc através do Blog A dança das Palavras. Bom, tanta ousadia minha é para convidar vc pra seguir um blog do meu amigo Fabrício, que eu acho super interessante, a Narroterapia. Sabe como é, né? Quem escreve precisa de outro alguém do outro lado. Além disso, sinceramente gostei do seu comentário e do comentário de outras pessoas. A Narroterapia está se aprimorando, e com os comentários sinceros podemos nos nortear melhor. Divulgar não é tb nenhuma heresia, haja vista que no meio literário isso faz diferença na distribuição de um livro. Muitos autores divulgam seu trabalho até na televisão. Escrever é possível, divulgar é preciso! (rs) Dei uma linda no seu texto, vou continuar passando por aqui...rs





Narroterapia:

Uma terapia pra quem gosta de escrever. Assim é a narroterapia. São narrativas de fatos e sentimentos. Palavras sem nome, tímidas, nunca saíram de dentro, sempre morreram na garganta. Palavras com almas de puta que pelo menos enrubescem como as prostitutas de Doistoéviski, certamente um alívio para o pensamento, o mais arisco dos animais.



Espero que vc aceite meu convite e siga meu blog, será um prazer ver seu rosto ali.

http://narroterapia.blogspot.com/

Moisés Augusto Gonçalves disse...

Sinto-me profundamente tocado pelos comentários de todos e todas!
Um grande abraço!

Odair Ribeiro disse...

"São gorjetas os dias que me restam"

Que mais se pode disser...gostei! Vim e fiquei.

abraço poeta!