sexta-feira, 2 de agosto de 2013

Composição

Imagem: Pierre Verger

Componho sentidos a descoberto,
a utopia despida de flores.

Costuro os retalhos dos amores já findos,
amasso a argila, dou-lhe forma,
faço-a viva de imaginações sonâmbulas.

Sopro-lhe minh'alma cravada de ais;
Arranco ervas daninhas presas ao ventre
que gritou amor sem respostas.

Cultivo cantos,
rego a semente encharcada de dúvidas,
recomponho ontens no hoje.

Moisés Augusto Gonçalves, in Nos centros de nosso oeste (no prelo)

11 comentários:

Nenzito (José Maria Gonçalves) disse...

Sentidos profundos, meu caro.
Bela composição.

Felisberto Junior disse...

Olá!Boa tarde
Moisés
Como vai?
Muito belo e reflexivo
sim...Quantos ontens
ainda passarão
até que acredite
na promessa
do amanhã?
...deve ter estranhado o pouco movimento de meu blog visitado,não? Confesso q é só um blog de testes,mas se me permitir,te convido á visitar meu blog oficial,
ClicAki Blog(IN)FELIZ
Obrigado
Belo final de semana
Abraços

Moisés Augusto Gonçalves disse...

Saudações, meu caro Felisberto!
Visitarei com o maior prazer...

Ana Bailune disse...

Boa tarde, Moisés. Um poema lindo e envolvente. Parabéns!

Moisés Augusto Gonçalves disse...

Beijos, Ana. Sua presença sempre faz muito bem!

CHARO disse...

Paso para dejarte un saludo.

Tramos Romero disse...

....Utopia desprovista de colores...


Bellisima poesia,


Besos muchos ♥♥♥

Eloah disse...

"Cultivo cantos,
rego a semente encharcada de dúvidas,
recomponho ontens no hoje".
Que coisa mais linda Moisés.Encantaste-me.Forte abraço.Eloah

MTeresa disse...

Es un gusto pasear por tus páginas,
un saludo

Nenzito (José Maria Gonçalves) disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Nenzito (José Maria Gonçalves) disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.