quarta-feira, 1 de maio de 2013

Não mais que de repente...


Chegou sem avisos ou licenças,
solene e sorrateira, 
como um filete d'água
escorrendo pelas frestas das pedras nuas.
Molhou meus silêncios,
contorceu os meus galhos,
estremeceu as raízes de meus sonhos.
Indagou minha canção,
acariciou o dorso do meu avesso.

De repente se foi,
ecoando os meus gritos...

Moisés Augusto Gonçalves, in Fragmentos Impertinentes

6 comentários:

Carlos Augusto Pereyra Martínez disse...

Habría de llegar...para romper silencios y vidas. UN abrazo. Carlos

Rô... disse...

oi meu amigo,

sempre existe algo que acontece,
para nos acordar,
para nos trazer de volta à vida...
lindo!!!

beijinhos

Moisés Augusto Gonçalves disse...

Nossos silêncios gritam...!

Guaraciaba Perides disse...

Parece que se inicia assim ...as águas de uma fonte que prenunciam um rio ,que se transforma em águas caudalosas com os afluente e todos se juntam e deságuam no mar...não é assim? E tudo começou com a fonte.
Um abraço

Nenzito (José Maria Gonçalves) disse...

Ainda bem que se foi, ecoando seus gritos. Que voe longe.

Moisés Augusto Gonçalves disse...
Este comentário foi removido pelo autor.