sexta-feira, 5 de abril de 2013

Tecelão de utopias....


Sou um aprendiz, tecelão das utopias próximas do longe. Talvez o único mérito que tenha seja o de cavalgar na ousadia e partilhar indagações na cadência do verso desnudo da armadura da métrica e da clausura da rima, vestido no traje de gala da busca;

Da palavra que canta a chuva que molha desejos, dá sabor à braquiara e vigor ao Guzerá, boi esguio e formoso, sempre a nos olhar, como quem faz as perguntas que ainda não foram feitas;

A palavra que dança às margens do Córrego do Onça e se banha, se quebra e corre, nas pedras do Lajeado que há pouco descobri em minhas andanças, na inseparável companhia de meu caderno de anotações e minha “sozinhiidão”, permita-me Guimarães;

A palavra que indaga a esse silêncio que vem de longe, os porquês da injustiça e da opressão, o quando do canto livre, o como esculpir amanhãs paridos das pedras e carregá-los no peito, vestidos de aurora;

A interrogação doída que se espanta com o despedaçar da flor e a usurpação de nossos jardins;

A palavra que se recusa a permanecer sepulta no peito e, guerreira, desata os nós na garganta;

A palavra que ainda não gritou todos os seus gritos e se recusa a fechar a última porta;

A que espreita pelas frestas das Minas, repousa nas montanhas de suas Gerais e se esconde na boca da mata à espera da onça e da lua...

Moisés Augusto Gonçalves, in Fragmentos Impertinentes
Recorte do discurso de posse na Academia Cordisburguense de Letras, MG, julho/2009

5 comentários:

Nenzito (José Maria Gonçalves) disse...

Bela tessitura.

Paulo Francisco disse...

Belo!!!!!!111111
Um abraço

★MaRiBeL★ disse...

::: (\_(\
*: (=’ :’) :*
•.. (,(”)(”)¤°.¸¸.•´¯`»Feliz fin de Semana.

B E S O S

Moisés Augusto Gonçalves disse...

Seja feliz, Maribel!

Moisés Augusto Gonçalves disse...
Este comentário foi removido pelo autor.