terça-feira, 2 de abril de 2013

Fragmento XL

Restauro forças exauridas
pelas privações e abusos da caminhada.
Dirijo o olhar para a relva do campo,
que atapeta meu peito,
e nasce uma flor.

Moisés Augusto Gonçalves, in Fragmentos Impertinentes

11 comentários:

Paulo Francisco disse...

Nasce uma poesia.
Um grande abraço

Rô... disse...

oi Moisés,

e onde nasce uma flor,
é porque foi bem cuidado,
e cultivado...

beijinhos

Moisés Augusto Gonçalves disse...

Vocês alimentam a beleza e perfume desta flor...

Nenzito (José Maria Gonçalves) disse...

Acho que nasce uma flor do cerrado...

Ana Bailune disse...

Uma poesia linda, linda, e teu espaço está glorioso. Bom dia!

Guaraciaba Perides disse...

Depois de tantas experiências a alma ameniza as dores e revoltas e de repente nasce uma flor.
Bonito!
Um abraço

Arnoldo Pimentel disse...

Caminhos sempre terão obstáculos.Parabéns.

Moisés Augusto Gonçalves disse...

E sempre poderemos fazer nascer flores dos desertos...

Jeferson Diaz disse...

Lindo!
Desejo um dia com perfume de flor pra você
:)

Moisés Augusto Gonçalves disse...

Um dia com perfume de flor...
Fantástico, Jeferson!

Moisés Augusto Gonçalves disse...

Encantador...!