quarta-feira, 13 de março de 2013

Alvorecer


Imagem; National Geografic

O dia chega elegante em seu traje de luz,
radiante nos acenos solenes sobre o dorso da mata,
ainda úmida das carícias do orvalho 
que copula em suas folhas.

O sono acorda querendo dormir 
em busca de suas fugas e repouso;
pálpebras cerradas desabrocham nas janelas da alma,
vislumbram o porvir nos raios do primeiro sol.

O café do vizinho entra pelas frestas da porta,
que jamais se fecha, escancarada ao mundo;
servido em minhas narinas, tem odor de horizontes abertos,
sabor próximo ao do hortelã-pimenta das madrugadas,
timidez de pétalas cansadas de flor,
atiradas no colo da terra.

Moisés Augusto Gonçalves, in Fragmentos impertinentes

10 comentários:

Lucimar da Silva Moreira disse...

Móises que imagem linda de se ver como a natureza é linda. Móises beijos.
Links:

Estrela da Manhã

Lucimar Virtual

Divulgue seu blog no face

Nenzito (José Maria Gonçalves) disse...

Belo poema, Alvorecer.

Paulo Francisco disse...

Muito bom!
Um abraço

Arnoldo Pimentel disse...

Um belo dia a nascer.Parabéns poeta.

Guaraciaba Perides disse...

Beleza com todos os sentidos...
Um abraço

Moisés Augusto Gonçalves disse...

Que seja nosso, o Alvorecer...!

Fernando Santos (Chana) disse...

Belo poema....Espectacular....
Cumprimentos

Moisés Augusto Gonçalves disse...

Sua visita e comentários estimulam muito...

Sor.Cecilia Codina Masachs disse...

Buenas tardes Moisés, discúlpeme si no lo podido visitar antes, ando sin tiempo, pero hoy me detengo en su blog y le felicito por el buen trabajo que está haciendo en él.
Me gustó como escribe.
Espero que le guste también mi poesía en vídeo.
Con ternura le dejo un beso.
Sor.Cecilia

Nenzito (José Maria Gonçalves) disse...

Sempre retorno a este poema. Denso!