sexta-feira, 9 de novembro de 2012

Imagem: Pierre Verger

Às vezes eles pensam que matam a gente... Besteira, a gente não morre. É só uma agonia boba, dessas que dão forma e sabor à vida. Aliás, a gente tem mais que sete vidas: abraçamos as causas que não conhecem a morte!  Abraço que faz ser um só e por isso todos... 

Ossatura forjada no calor das lutas, com seus prazeres e dissabores. Longa história de muitas vitórias e outras tantas derrotas que tingiram de vermelho as trilhas que pisamos com pés de pluma, peito aberto, horizonte em flor e uma vontade danada de arrancar alegrias ao futuro.

Moisés Augusto Gonçalves, in Fragmentos impertinentes

4 comentários:

Guaraciaba Perides disse...

A qualidade da luta advém da dimensão da alma.Por isso os valores universais que nunca morrem .
um abraço

Moisés Augusto Gonçalves disse...

E ...Arrancar alegrias ao futuro!

Nenzito (José Maria Gonçalves) disse...

Muitas alegrias! Muitas mesmo!

Márden Moreira de Carvalho.... disse...

E a vida continua forte, bela e desafiadora...