sexta-feira, 24 de agosto de 2012


Olhos castanhos invadidos de verde,
folhagens de tetos de gruta,
Maquiné escondida na encosta do morro,
revelada em piscadas,
refletida na retina e no verso.

Encanto desenhado em pupilas,
segredos contados na boca da mata,
falados na voz do cerrado,
cantados em sinfonia de cipó cravo,
sussurro de vento,
da chuva que não veio,
dos traços de Guimarães,
das Rosas,
pequizeiros,
e outros causos...

Moisés Augusto Gonçalves
Cordisburgo, 03-02-09
1 h e 29’

8 comentários:

Berzé disse...

Me "encantano" por aqui.
Abração, Moisés!
Berzé

Guaraciaba Perides disse...

Que lindo! Amar uma mulher como se fosse a pátria ou amar a pátria como se fosse uma mulher.Um abraço

Lapislazuli disse...

El amor siempre inspira, que ojos!!!
}Un abrazo

Moisés Augusto Gonçalves disse...

Passei momentos muito interessantes e de grande aprendizado nos 02 anos em que vivi recentemente em Cordisburgo, MG, terra de Guimarães Rosa e de meu querido pai...

Nenzito (José Maria Gonçalves) disse...

Encantos de minha querida Cordisburgo com sua Gruta de Maquiné, Cheiro de roça, odor de Guimarães Rosa e muitos "causos".

Arnoldo Pimentel disse...

Olhos que olham e sentem.Parabéns

Controvento-desinventora disse...

Nas rosas de Rosa, a gruta de palavras. Texto lindo!

Moisés Augusto Gonçalves disse...
Este comentário foi removido pelo autor.