domingo, 15 de julho de 2012

Outros amanhãs...

Imagem: National Geografic

Mais do que a utopia,
o abraço no amanhã presente agora.
São tão poucos os meus irmãos
-os que ousam ir contra a corrente -
e acreditam nas alegrias vindouras.

São tão poucos os meus irmãos
e eu os queria muitos,
agindo em cada canto.
Tantos, mas tantos,
maiores que os medos e benesses
que abortam sonhos,
maiores que as dores
que emudecem cantos,
maiores que o maior de mim mesmo.

Eu os queria tantos...

Moisés Augusto Gonçalves, in Brados retumbantes - Postfacio

11 comentários:

Lúcia Bezerra de Paiva disse...

Existe, o "além do horizonte":
eu acredito!

Um abraço amigo, Moisés,
da Lúcia

Eloah disse...

Eu também os queria tantos.Lindo poema.Você sempre encanta com as palavras.Bjs no coração Eloah

Berzé disse...

Tantos mesmo que tontos.Seremos, torço,vivo pra isso.
Abração, Moisés!
Berzé

Lapislazuli disse...

Bellas letras hacen bello este poema
Un abrazo

Doris Dolly disse...

Moisès.... " Otros...."

Me encanta enviar comentarios, pero aquì no se me traduce...en tu poema.

Recibe mis saludos desde Argentina

un beso

Moisés Augusto Gonçalves disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Moisés Augusto Gonçalves disse...

Outro mundo é possível...É preciso sonhá-lo com os pés no chão e a militância pela vida!

Nenzito (José Maria Gonçalves) disse...

Também quero este "outro amanhã"!

Lasse disse...

Marvellous post!

ALBORADA disse...

Más allá de la utopía, en el mundo presente de ahora, desde la lágrima o el grito y el amor como lazo de unión y esperanza, todo es posible, es posible al menos intentarlo.

Un cálido abrazo y agradecimiento por dejar su huella en mi casita, por aquí me quedo si lo permite.

Márden Moreira de Carvalho.... disse...

Que cada um de nós faça parte desse grupo seleto.