quarta-feira, 27 de junho de 2012

A minha loucura



Imagem: Olbinski

A minha loucura não cabe nos livros,
zomba solteira dos ids e egos;
visita o Olimpo, transita o nirvana,
celebra entre lágrimas, os naufrágios do amor.
A minha loucura é louca demais, é insana,
tem sabor de pão dormido,
é tanta...tanta...tanta...

Moisés Augusto Gonçalves, in ruas vazias de gente

9 comentários:

Nenzito (José Maria Gonçalves) disse...

A loucura dos poetas

Moisés Augusto Gonçalves disse...

...De um coração sensível e terno!

Guaraciaba Perides disse...

Pode ser também a antítese do que se costuma chamar loucura, ou seja a plena lucidez.
Um abraço

Lasse disse...

excellent !!

Márden Moreira de Carvalho.... disse...

Nossa loucura, meu caro, nossaaaa...

Nenzito (José Maria Gonçalves) disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
lhunna disse...

Esa divina locura hace a muchas personas especiales...
Un Saludo

Carlos Augusto Pereyra Martínez disse...

El poeta que no asuma la locura, no es poeta. Su destino es transgredir la normalidad, aperturarse a nuevas fronteras: ser desde su identidad de vértigo y desmayada. Un abrazo. Carlos

Nenzito (José Maria Gonçalves) disse...

Dos lutadores incansáveis...