quinta-feira, 7 de junho de 2012



Chegou sem avisos ou licenças,
solene e sorrateira,
como um filete d’água
escorrendo pelas frestas das pedras nuas.
Molhou meus silêncios,
contorceu os meus galhos,
estremeceu as raízes de meus sonhos.
Indagou minha canção,
acariciou o dorso do meu avesso.

De repente se foi,
ecoando os meus gritos.

Moisés Augusto Gonçalves, in Fragmentos impertinentes

10 comentários:

Berzé disse...

Mas chegou! Depois de muitíssimas luas, chegou.Volta depois, tenho certeza. Outras com iguais diferenças.
Abração, Moisés!
Berzé

Guaraciaba Perides disse...

lindos e apropriados versos...pois "que seja infinito enquanto dure"
Um abraço

Lasse disse...

Spectacular !!

Dyhego disse...

Suena muy bonito.
Salu2.

Maria Emilia Moreira disse...

Chegou mais uma bela criação!Poema e imagem em "namoro perfeito".
Abraços.
M. Emília

Moisés Augusto Gonçalves disse...

Mergulhando na intensidade dos momentos...

Nenzito (José Maria Gonçalves) disse...

Ainda bem que se foi, "ecoando" seus gritos.

Under the willow tree - Elaine disse...

Lindo...

Paulo Francisco disse...

Nossa! lindo e intenso. Adorei.


(Obrigado pelo comentário bacana, lá no Cores e nomes.)
Um beijo grande e uma semana de paz pra ti.

Moisés Augusto Gonçalves disse...

Meu caro Paulo,

Seus blogs sempre trazem grandes reflexões e inquietudes.
Um abraço!