sábado, 22 de outubro de 2011

Sou esse tronco retorcido,
de casca grossa,
chamado corpo.
Arbusto silvestre,
jacarandá-do-cerrado,
planta nativa,
mata cativa,
viajante alado.


Moisés Augusto Gonçalves, in Fragmentos impertinentes
Foto: Ronaldo Alves

28 comentários:

Berzé disse...

Sertões, cerrados...nós mesmos.
Abração, Moisés!
Berzé

Fєrnαndєz ♠♠ disse...

Adorei a analogia no poema. Um poema curte porém expressivo.

Mercedes Vendramini disse...

Una verdadera belleza Moisés!

Cariños!

Eloah disse...

Adorei! Ser tronco, casca grossa é ser fortaleza e ser o condutor da seiva que faz a arvore florescer.Ser viajante alado te faz um grande sonhador.Parabéns! Um domingo abençoado e feliz.Bjs Eloah

Guaraciaba Perides disse...

"O sertanejo é antes de tudo um forte" e alma é de poeta como dizia Catulo em seus lindos versos.Euclides da Cunha, Catulo e agora Moisés sabem bem definir alma cabocla.Viva o povo brasileiro!
UM abraço

Lasse disse...

Beautiful !

Carmen disse...

Tronco o cuerpo que, por mucho que viaje o vuele, nunca abandonará sus raíces...
¿Me equivoco mcuho, Moisés?

Biquiños.

Carmen

Maria Emilia Moreira disse...

Gostei "desse tronco" que afinal encerra tanta poesia.
Bom domingo.

Francisco Espada disse...

"Viaje alado" Maravillosa imagen, Moisés. Saludos.

Moisés Augusto Gonçalves disse...

Um grande e criativo domingo a todos e todas! A presença de vocês faz também é primavera!

Dois Rios disse...

És, além de tudo, poeta!

Beijos,
Inês

Moisés Augusto Gonçalves disse...

E viva o nosso cerrado!

Nenzito (José Maria Gonçalves) disse...

Bravo! O cerrado é minha vida!

Josú! Barroso disse...

Professor, obrigado pelo comentário.
Parabéns pelo trabalho.
Sucesso...

Moisés Augusto Gonçalves disse...

Meu caro Josú,

Fico feliz em conhecer seu trabalho artístico. Estarei sempre visitando e divulgando.
Um grande abraço!

Maria Ribeiro disse...

PROF: poema lindo!Somos isso tudo, querido colega, sempre com vontade de chegar, cada vez mais perto do possível aperfeiçoamento.Beijo amigo e obrigada por estar a seguir-me!
LUSIBERO

Anita de Castro disse...

Sorrir por nada é ficar triste sem motivos, sentir-se só no meio da multidão, é o ciúme sem sentido, a necessidade de um sorriso, o desejo de um carinho; é abraçar com certeza e beijar com vontade, é passear com a felicidade, é ser feliz de verdade depois de muitas luas

Maria disse...

LIndissimo poema. Também gostava de ser árvore e viajante alado ...
Beijinhos
Maria

Gisa disse...

Linda descrição.
Um grande bj

Paulo Francisco disse...

Sou esse tronco retorcido,de casca grossa,chamado corpo.Arbusto silvestre,jacarandá-do-cerrado,planta nativa,mata cativa,viajante alado.

Muito bommmmmmmmmmmmmmmmmm!
Um abraço

Marly Bastos disse...

Bem... Eu conheço bem os arbustos do cerrado, pois sou uma flor dele.
Mas e o interior do arbusto retorcido e de casca grossa? Como seria a seiva desse poeta, a essência da alma?
Arbusto silvestre: essência pura.
jacarandá-do-cerrado: madeira nobre.
planta nativa:de origens humilde.
mata cativa: ?
viajante alado: espírito livre.
Beijokas doces

Andradarte disse...

Adoro troncos retorcidos....e essa
imagem é fantástica...
Abraço

Chelo disse...

No se quien acompaña a quien si la foto al texto o al revés.
Un saludo

Moisés Augusto Gonçalves disse...

Todos os comentários tornam este blog mais florido e perfumado...Grato!

Ciccia disse...

Bellissima questa poesia! Ti seguo da Roma, tanti saluti!

JOSE CUERVO disse...

SEU POEMA E MUITO BONITO. PARABENS!
ACHO QUE VOCE E UM GRAN POETA E U,A PESSOA MUITO PROFUNDA. A POESIA AINDA NOS PERMITE FALAR NO IDIOMA DA MENTE PROFUNDA

Soraya Chaude disse...

lindo, adorei.

uma pausa em teu gemido disse...

está tudo lindo,continue assim, esta pessoa encantadora, bj