sexta-feira, 26 de agosto de 2011

Voa!

Imagem: adavid mendelshn


Voa!
Varre os ares desse azul sem fronteiras,
umbrais dos enigmas que devoram meu peito...


Moisés Augusto Gonçalves, in Fragmentos impertinentes

11 comentários:

Francisco Espada disse...

¡Si yo tuviera una escoba, cuántas cosas barrería! Saludos.

Raul Rentero disse...

más que comentar la entrada decirte que me he quedado prendado de tu frase de cabecera, ayyy, el gran Van Gogh!
saludos desde el maestrazgomagico.blogspot.com
RAUL

Graça Pereira disse...

Eu tambem quero um azul perfeito...Bjs e bom fds.
Graça

Fєrnαndєz ♠♠ disse...

Voar...o sonho de muita gente, no azul perfeito então seria um sonho bem maior.

http://terza-rima.blogspot.com/

Márden Moreira de Carvalho disse...

Voar sempre!

Maria Emilia Moreira disse...

Admirável! Dizer tanto em tão poucas palavras. A imagem assenta-lhe como uma luva. Até sempre.

Art disse...

Magnificent picture!

Literatura & Companhia Ilimitada. disse...

Olá Moisés! Passando para agradecer a visita e o acompanhamento do nosso humilde espaço, que para nó é uma honra.

Quanto ao post, Muito profundo.

Abraços e ótimo final de semana pra ti e para os teus.

Rosemildo Furtado.

Will disse...

Moyses,
perfeito fragmento poético, como sempre.
Há no azul do céu uma infinitude que por mais que tentemos varrê-la, admirando, nós que somos varridos por ela. Rs
Abraço!

Moisés Augusto Gonçalves disse...

E existem os enigmas que devoram meu peito...!

Berzé disse...

Voa!
Abração!
Berzé