terça-feira, 16 de agosto de 2011

Cidadão dos mundos...

Imagem: National Geografic


Carrega no alforje da vida muitas sementes,
páginas em branco no caderno de memórias
- outras tantas rasgadas nas bordas,
outras muitas rasgadas ao meio -,
um pedaço de fruta mordida de véspera,
um catálogo de nomes escritos até à primeira letra.
Maiúsculas. Em negrito solo.
De que não se sabe quem.
Fortes! Como cabe aos que partem, insistindo em ficar.

Homem de uma nota só e muitos tons,
possuído pela magia célere dos pássaros,
dos amores des(re-)feitos,
das incógnitas do daqui-a-pouco,
da terra pisada com pés de pluma,
ninada no colo com cantos de mãe.

Parto doloroso do quero-mais,
das alegrias de visita breve,
da descoberta mostrando a cabeça,
por detrás da montanha de papel machê.
Encontro marcado aos pés do ipê amarelo;
Tez desnuda,
escaldada pelo sol das tardes que se repetem.
Fardo de muitas labutas e encantamentos!

Penduradas no peito,
medalhas conquistadas no campo de batalha
contra a penúltima fome e suas primas,
as estátuas do medo plantadas na curva da estrada.
Saudades do abraço de não-se-sabe-quando,
mágoas com barba por fazer,
botões em flor aguardando o primeiro raio de sol.


Moisés Augusto Gonçalves, in Fragmentos impertinentes

15 comentários:

Patricia disse...

maravilloso poema!

besos.

Will disse...

Moisés,
Belíssimo poema, como sempre.
Certamente todos nós temos um pouco desse cidadão do mundo que você descreveu de forma tão lírica e bela. Alguns semeiam com palavras, outros com atitudes e outros literalmente com sementes.
Parabéns!
Ótima terça-feira para você!

Rosana C. disse...

Lindo!

Lady Jo disse...

Très beau !

Duxa disse...

Olá Moisés, vim conhecer um pouco do seu blog e agradecer a sua visita.
Gostei do que li,é muito belo, não sou muito de vasculhar as gavetas que encontro, prefiro ir encontrando as coisas aos poucos...
Um beijo.

Carmen disse...

Moisés: tienes una manera especial de expresar lo que que quieres decir, y es tan especial que al terminar de leer tus escritos una se queda esperando más y más, y vuelve a leer para encontrar aquello que acabe saciando la sed de tus palabras.
Bello poema, como todos los tuyos.

Un abrazo.

Biquiños.

Moisés Augusto Gonçalves disse...

Os comentários são tocantes! Continuo assim, oferecendo à fruição coletiva os gritos do coração...!

LUCONI disse...

Moisés um poema que nos toca o coração, nossa como disse o Will todos nós temos um pouquinho deste cidadão, tua forma de escrever é apaixonante, beijos Luconi

Berzé disse...

Ufa!
Berzé

Rô... disse...

oi Moisés,

um poema que semeia
coisas boas,
que nos faz sentir melhor...

beijinhos

Moisés Augusto Gonçalves disse...

Meu caro Berzé,

Esse seu "ufa!" é muito sugestivo...

Guaraciaba Perides disse...

Sempre fica um pouco do tudo de nossas lembraças...como diria Drummond. Gostei ! Um abraço

Marias Teater disse...

Wonderful image and words

Márden Moreira de Carvalho disse...

O cidadão que todos deveríamos ser...!

Nenzito (José Maria Gonçalves) disse...

Cidadão dos mundos, com muita dignidade. Gostei muito.