domingo, 21 de agosto de 2011

De profundis...


“(...) a solidão ainda vai ter de aprender muito para saber o que é isso, Sempre vivi só, também eu, mas a solidão não é sermos capazes de fazer companhia a alguém ou a alguma coisa que está dentro de nós, a solidão não é uma árvore no meio duma planície onde só ela esteja, é a distância entre a seiva profunda e a casca, entre a folha e a raiz”.

José Saramago, O ano da morte de Ricardo Reis

11 comentários:

Sonhadora disse...

Quanta verdade neste texto...por vezes a solidão é acompanhada de uma multidão.

Deixo um beijinho
Sonhadora

Terê. disse...

A solidão é companheira dos poetas, sempre, bju terê.

Marly Bastos disse...

A solidão não tem distâncias, tem ausências... Ausência não de algo ou alguém, mas de uma parte de nós, que mesmo estando, recusa estar.
Beijokas doces e uma semana memorável para você.

Rô... disse...

oi Moisés,

a solidão é um espaço pequeno,
que nos afasta de nós mesmos...

beijinhos

Lídia Borges disse...

Belíssimo este dizer. Sábio! A solidão é a divisão dos homens, a separação e a distância entre coisas semelhantes que se completam.

Um beijo

Moisés Augusto Gonçalves disse...

Solidão fecunda!

Will disse...

Moysés,
Solidão é um cacto que nasce do deserto de nossa individualidade e nos convida a tirar seus espinhos dia após dia, com as mãos nuas.
Ótima semana para você!

Arnoldo Pimentel disse...

Solidão é assim,belo e profundo texto.Parabéns pela postagem.

Pelos caminhos da vida. disse...

Solidão, inspiração para os poetas.

Moisés, obrigado por fazer parte da lista de seguidores do meu blog, serás sempre bem vindo Pelos Caminhos da Vida.

Um bom dia pra vc.

beijooo.

Nenzito (José Maria Gonçalves) disse...

Texto brilhante! Saramago é inesquecível e marcante.

Márden Moreira de Carvalho disse...

A solidão é grande território da criação!