quarta-feira, 2 de março de 2011

Imagem: 4.bp.blogspot.com/_a9...

Da soleira da janela,
Maria Antônia namora a rua.
A liberdade toma corpo viril,
desejos borbulhando suores,
sentimento do mundo que toca seus lábios carnudos.

É hora do angelus.
O sino da matriz anuncia a sonolência da tarde,
deitada em prenúncios.
A volúpia da noite,
os sonhos de Antônia,
e a incerteza inscrita no olhar.

Moisés Augusto gonçalves, in Fragmentos impertinentes

5 comentários:

KRASOTA NAIL disse...

SUPER BLOG

Shirley disse...

Na sonolência da tarde, os desejos quase incontidos da Maria Antonia...Gostei muito, Moisés. Abraço.

Berzé disse...

Grande Moisés!
Abração!
Berzé
(cadê os livros?)

Moisés Augusto Gonçalves disse...

Berzé,
Postei 02 exemplares dos livros "Ruas vazias de gente" e "Horizontes da luta social" há duas semanas...Vou verificar nos Correios...

Runa disse...

Uma poesia rica em sentimentos e metáforas. Gostei da visita.

Abraço

Runa