sexta-feira, 12 de novembro de 2010

Brincando com Narciso

Imagem: National Geografic

Alguns entronizam Narciso no altar do coração, cercado das vaidades e pompas de tantos eus e vazios, que não sobra espaço pra vida que borbulha lá fora;

Outros, também de respostas fáceis, o condenam à morte, temerosos do magnetismo inebriante de sua presença e da magia envolvente e sedutora do mito e suas ilusões;

Quanto a mim, brinco com suas travessuras, faço quebra-cabeças com os cacos de seus espelhos, e dou boas gargalhadas com seus pares... os que toco agora, fora de mim.

Moisés Augusto Gonçalves, in Fragmentos impertinentes

7 comentários:

nouvelles couleurs - vienna atelier disse...

che foto stupenda, originale

Guaraciaba Perides disse...

Você sempre nos surpreende com fotos belíssimas e textos instigantes...é uma delícia visitá-lo! Um abraço

panteraenlanoche disse...

Muito lindo.Adorei.Bjs.

Zélia Guardiano disse...

Moisés Augusto
Muito feliz com sua inscrição entre os seguidores do meu modesto espaço, vim retribuir e agradecer.
Encantei-me aqui!
Tudo muito lindo!
"Brincando com Narciso", me fez reler e pensar...
Enorme abraço!

miquel zueras disse...

Muy buen blog, Moisés, felicidades. De paso me servirá para practicar mi portugués. Obrigado. Borgo.

Ana Kalil disse...

Olá poeta!

" No topo do mundo, ou nas profundezas do desespero"... geralmente as pessoas se envaidecem e se "emburrecem" justamente quando estão nas alturas( que ironia...). Justamente nesta fase, ocorre o amor ao espelho, as vaidades, o eu + eu=eu. E crescem quando estão nas profundezas do desespero. Complexo o ser - humano (rs).
Muito belo seu blog! E lindos os versos teus!
Bjos

Curiosa disse...

muito agradável por aqui ...
adorei ...