domingo, 19 de setembro de 2010

Poema triste

Eu sou um coroa apaixonado
e este é um poema triste.
Carrega o homem que acordou menino,
travesso e indefeso,
com medo da noite fria d’alma.

Este é um poema triste,
que busca alegrias soterradas
nos escombros de metade de meus eus.
Seu riso é triste,
sua rima pobre,
soa molhado de lágrimas turvas.

Eu sou um coroa apaixonado
e este é o meu poema,
que sai do forno agora,
feito de carne machucada e crua,
feito da lama escura,
forjado brasa,
erupção sem anúncios,
sem registros de vésperas
e a incerteza da aurora.

Moisés Augusto Gonçalves, in ruas vazias de gente

Nenhum comentário: