quarta-feira, 9 de junho de 2010

Frestas...

Por estas frestas,
mil olhos espreitam
passos, sombras,
batidas do coração
e o arfar dos pulmões,
inflados de segredos.

Pupilas dançantes,
acariciam,
cochicham silêncios
e outros impropérios.
Alimentam a prosa do desjejum,
quebrando o tédio de ‘bons dias’
e a monotonia do sempre o mesmo...

Moisés Augusto, in Depois de muitas luas
Cordisburgo, 17-01-09
Imagem: ellenismos.blogspot.com/2008_01_01_archive.html

Nenhum comentário: