domingo, 25 de novembro de 2018

Voa!

Varre os ares dessa azul sem fronteiras,
umbrais dos enigmas que devoram meu peito...

Moisés Augusto Gonçalves, in Fragmentos Impertinentes

os


quinta-feira, 22 de novembro de 2018

Aos homens e mulheres,

que se despiram das máscaras que vestimos para suportar a vida, e ousam dizer um não sempre renovado à imagem imposta pela mediocridade que os cerca e condena às sombras, o eu real - o eu mesmo -, feito de carne e osso, faminto de tesão e fantasia, talhado dentre as pedras que correm no leito da caminhada; águas de muitas margens e faces ocultas, machucadas pelas pedradas atiradas pela antepenúltima mentira. Escândalo, no reino da hipocrisia! Impertinência! Sem licenças ou imprimatur...

Aos que não se venderam por trinta moedas aos podres poderes, sabedores de suas tramas, sua lama e armadilhas; não mendigaram suas benesses e status, nem se prostraram diante do altar do vil metal;


Aos que tem a ousadia de extrair da longa caminhada a grande lição: conhecer é sentir bem lá dentro as agruras e também os beijos do estar aqui, saborear os iguais no apetite dos sonhos de mãos entrelaçadas e passos largos, ninados pelas causas que não conhecem a morte; 


Aos que atrevidamente decifram os códigos e rituais vigentes, grávidos de vazios e horizontes; que levantam os véus de sentidos que encobrem verdades não-ditas, que moldam o viver;


Aos que incessantemente buscam desvendar os segredos e interditos da ordem imposta, ainda que para virá-los ao avesso;

Aos que não se enquadram na moldura e, desnudos das fachadas pintadas de medo - clausura dos que temem voltar-se para a boca da caverna e sentir seu calor e clarão -, (re-)desenham formas e sentidos outros, aqueles que não sufocam o poeta, nem os corações em festa de alforria, ao romper a milésima algema e destronar as correntes que abortam o canto e o desabrochar da flor;

Enfim, aos que descobriram nas páginas da vida rios caudalosos de liberdade e o sentido da palavra por excelência: DIGNIDADE! E por isso mesmo, se fizeram resistência e ternura: Gente no calor das lutas!

Moisés Augusto Gonçalves, Postfacio in Horizontes da luta social - os sujeitos da política (2010)